Rita Lee: entrevista exclusiva para este blog

No dia 24/05/2013 publiquei no antigo site da Terra a entrevista abaixo, exclusiva, que Rita me deu a alegria de me presentear... Republico:

Norma Lima: 50 anos de carreira com corpinho de 20, heim? Bora lembrar de alguns fatos dos milhares lindos da sua trajetória, amor nosso?

Rita Lee: Norma Lima sempre gentil… corpinho d 20? sim, em cada célula…

Norma Lima: Aos 15 anos, um vestido preto de baile e depois uma bateria… Isso é missão de amor aqui no Planeta Terra, né?

Rita Lee: Ela queria mesmo é aparecer, aquela tolinha.

Norma Lima: Tenho registrado nos meus arquivos fãzísticos que a sua primeira apresentação foi ainda como Danny, com Chester & Ginny, em um aniversário no quarteirão do seu bairro (Vila Mariana - SP). E rolou no mesmo ano da solo feita no Liceu Pasteur, com você e violão, interpretando Tous les garçons, de Françoise Hardy, no ano de 1964. Você lembra disso?

Rita Lee: Me lembro do trio catástrofe Danny Chester and Ginny, os 3 patetas pop d Vila Mariana, o resto vc sabe mais q eu, ou invente como quiser, n vou negar no tribunal.

Norma Lima: Assinar o seu nome como Danny ou Ritta, no início da carreira, era uma tentativa de separar o seu eu artístico do seu mim?

Rita Lee: Achava "Rita" meio brega, sorridente demais, queria algo mais dark… Danny era nome da minha adorada cachorra e nessas eu dancei.

Norma Lima: Já na sua primeira experiência no cinema, ganhou um papel que ia além da apresentação com Os Mutantes, na cena do filme Amorosas, de 68, pois a sua personagem flerta com a de Paulo José. Você já disse por aí que seu sonho mesmo era ser atriz. Você é uma cantriz, né?

Rita Lee: Costumo dizer q há 50 anos faço papel d cantora.

Norma Lima: Ainda sobre cinema, você e Roberto já fizeram belas trilhas também para o cinema e o teatro. A dupla completa 35 anos de parceria musical, tendo estreado em Babilônia, com Disco Voador. Como foi compor essa canção com ele?

Rita Lee: Um presente extraterrestre, uma parceria das esferas. Eu estava amamentando Beto qdo Rob avistou bem na frente da nossa janela uma luz paradona no céu e me chamou. Aparição inspiradora.

Norma Lima: Você sempre é lembrada por sua abordagem de temas cujo foco é a independência das mulheres. Esperava que a canção Agora só falta você fosse considerada um hino feminista da década de 70?

Rita Lee: O universo paralelo feminino é fascinante, o mundo na visão das fêmeas é outro planeta, na maluquice da cabeça delas, vc encontra d santas putas a malditas heroínas.

Norma Lima: Participou, uma vez, de uma Exposição, a Pintores de Domingo, na Galeria de Sampa, com seu desenho Bobo da Corte, em 1979, outra vez da Mostra Caderno do Artista, em 1994. É uma desenhista e tanto, não pensa em expor seus desenhos inspirados de novo? O dos Beatles, publicado no álbum Aqui, ali, em qualquer lugar, até hoje deixa a todos de queixo caído…

Rita Lee: Menos, Norma Lima… no desenho sou ainda mais canastrona q na música

Norma Lima: Como foi isso de ter um gol batizado com o seu nome, pelo Casagrande, do seu time do coração, o Corinthians, e marcado aos 41 minutos do segundo tempo?

Rita Lee: Um orgasmo regado a confete e serpentina… na época lança perfume já era proibido e vc sabe q eu sempre fui uma moça d família…

Norma Lima: Em 1985, foi divulgada, no jornal O Globo, a notícia de que fostes a compositora mais censurada do Brasil, desde 1980, com 14 músicas vetadas até então… e depois ainda implicaram com Pega Rapaz, em 87 e não citaram as dos Mutantes… Censura nunca mais, né?

Rita Lee: Pois é, vc deve conhecer o Gui… ele foi até o DOI CODI e ressuscitou uma pá d letras censuradas q eu nem sabia q existiam! Os comentários d dona Solange, da Censura, nos documentos são pérolas da sociedade indignada, hilários…

Norma Lima: Você foi tema ou citada com elogios em textos de grandes nomes, como Caio Fernando Abreu, Arnaldo Jabor, Rubem Braga, Mário Prata, Martha Medeiros, Glauber Rocha e outros. Como se sente com a afirmação de Caio Fernando Abreu, por exemplo, de que a sua obra é tão importante quanto a de Caetano, Gil e Chico para a Cultura Brasileira? E a de Glauber, que te chamava de Cacilda Becker da Nova Era?

Rita Lee: Eles é q são gênios e eu ganho a fama?

Norma Lima: Além de cantar, compor, desenhar, representar, você também escreve. Foram vários textos para a imprensa nestes anos todos, além da série Dr Alex, cuja motivação foi, além de inventar historinhas pra filho dormir, como declarou em uma de suas entrevistas, você também teve e tem a preocupação com a preservação do planeta, bem antes disso virar uma moda, pois faz do Dr Alex um defensor dos bichinhos. Disse que a luta dele incomodava a alguns que nunca quiseram muita liberdade e muita alegria. É isso que a sua obra sempre trouxe para o Brasil, né? Liberdade e alegria.

Rita Lee: Quisera eu q fosse só assim… existe tb meu lado prisioneiro e deprê comum a todo ser humano vivo, mas q n deixa d ser inspirador.

Norma Lima: Pioneira em mostrar beijo gay no clipe Obrigado, não; no selinho trocado na tv com a saudosa e querida Hebe, ambos em 1997 e também no selinho dado em uma fã, por ocasião do show feito no Morro da Urca em 2006, Rio de Janeiro, e mostrado no DVD Biograffiti. Sempre brigando com o establishment, não?

Rita Lee: Esse tal de establishment nunca foi c/ a minha cara, mto patriarcal.

Norma Lima: Como você explica essa tal de Rita Lee chegar a tantos e tantas, nesses 50 anos, conservando os antigos e conquistando novos fãs? Todas as gerações são Lee, pois diariamente leio tweets de jovens, adultos e velhos cantarolando canções do seu mais recente e delicioso álbum Reza, declarando-se a você, afirmando que que querem ser como você amanhã…

Rita Lee: Fãs são filhos gauches, a gratidão por gostarem d mim me deixa sem fôlego… inda bem q volta e meia fujo p/ o twitter conversar c/ eles… twitter é mágica moderna, a melhor companhia p/ um coração solitário feito o meu.

Norma Lima: Apesar de você não ser saudosista, quero que saiba que é uma honra sermos seus fãs e olharmos para a sua trajetória tão digna, bem como contá-la para os novinhos que chegam sempre e sempre, com admiração sincera por você. Muito obrigada é pouco, pela entrevista que tão gentilmente topou dar pelo aniversário do nosso humilde Fã Clube, e por tudo que já fez por nós aqui no Brasil. Quando falei com você pela primeira vez, você usava uma blusa com os dizeres Music saves, de fato, a sua canção nos salvou e salva sempre. We love you.

Rita Lee: Cuide bem dessas crianças do Universo q tanto carinho me dão, diga a elas q vovó Ritinha está preparando uma fornada d musiquinhas novas p/ tomar c/ chá. Bisou to you.




Comentários

  1. Sou fã de carteirinha da Rita Lee, desde meus 06 anos, 1987 com Flerte Fatal...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sou desde os 11 anos, com Fruto Proibido.

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Rita Lee é a Artista com mais canções em trilhas de novelas

Os sete últimos shows de Rita Lee, entre 2012/2013